A duração do filme na tela

Quando o cinema foi inventado,  em 1895 , em Lyon, pelos irmãos franceses Auguste e Louis Lumière, os filmes só eram tecnicamente possíveis em curta duração: entre 1 a 3 minutos. As películas eram mudas, a exibição dos filmes musicados e com efeitos sonoplásticos ao vivo, em preto e branco, com imagens intercaladas por cartelas com texto explicativo. E a câmera movida a manivela. Um cinema factual, documental e jornalístico. O cinema tornava-se a primeira manifestação globalizada da história da humanidade. Aproximava os povos.

Porém, o cinema nasce no lugar certo e na hora certa. Em plena revolução industrial, no centro cultural e tecnológico do mundo: os países da Europa. Essa transformação no mundo tornou possível grandes avanços tecnológicos, colocando a disposição uma grande variedade de ferramentas:  lentes, a luz elétrica, a captação e reprodução do som, criaram-se motores a explosão, máquinas que facilitavam o trabalho do homem e aumentava a sua produtividade. O avanço da química tornou possível o fabrico de películas cinematográficas mais sensíveis e mais longas. As cartelas que intercalavam as imagens em movimento foram progressivamente dispensadas e trocadas por um bandas sonoras com os diálogos, os ruídos ambientes captados durante as filmagens e a criação de uma trilha musical dramatizando as cenas.

Até então a duração dos filmes não era uma coisa muito importante para esses deslumbrados espectadores das imagens em movimento. A sessões resumian-se a meia hora de reportagens de evento filmadas, uma dezena de filmes de curta duração e temas variados, enfileirados.  Quando o mágico e dramaturgo francês, George Meliés, em 1902, tem a idéia de filmar a sua peça teatral de sucesso: “Viagem à lua”, tudo mudou. Era um dos primeiros filmes de ficção científica que chegava as telas e com grande sucesso junto ao público. O filme tinha o seu roteiro baseado nos romances: ”Da terra à lua” de Julio Verne e “Os primeiros homens na lua” de H.G.Wells. Os filmes de curta duração de jornalismo verdade perderam o seu lugar para histórias de ficção de longa metragem. Em cada bairro de Paris e nas grandes capitais pelo mundo tinham um cinema ou funcionavam em sessões especiais nos principais bares da cidade. E assim chegou até nós.

Os cineastas aprenderam a escrever roteiros que comportassem três ou mais sessões diárias de noventa minutos aproximadamente. Roteiros que passaram a obedecer um formato onde cada página, com ações e diálogos, durassem em torno de um minuto e meio. E assim permaneceu por mais de cem anos. Os estúdios cinematográficos tornaram-se fábrica de filmes. O desenvolvimento mundial não parou. Surgiram as novas mídias como a televisão e o filme passou a ser exibido em todo mundo, para um público muito maior, no interior de suas casas.

A indústria cinematográfica mundial passou a criar produtos com duração que tornassem esses espectadores domésticos cativos. Desenvolveu uma nova forma de apresentar um espetáculo cinematográfico de longa duração, dos mais variáveis gêneros dramáticos: as séries de tv em10, 13 ou 26 capítulos com até 58 minutos de duração em cada episódio. O desenvolvimento da indústria cinematográfica busca agora novas mídias (ou cinemas móveis) que é a internet, adaptando os tempos dramatúrgicos de seus conteúdos e roteiros para essa mídia mundial, as web series e esse espectador personalizado em movimento.

Jorge MonclarDiretor de Fotografia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

×

Powered by WhatsApp Chat

× Fale Agora Mesmo Sobre os Cursos!